sábado, 21 de maio de 2011

MATÉRIA NO JORNAL O VALE SOBRE OS ROUBOS DE BIKES

Fala moçada do pedal em São José dos Campos.


Recebi agora há pouco, às 09:00h, um twitter do Paulo Fernando (@pafemendes) sobre a matéria que roda hoje no jornal O VALE, que você pode ler nesse link aqui: http://www.ovale.com.br/regi-o/ciclistas-reclamam-de-onda-de-assaltos-na-regi-o-da-urbanova-1.109407


No texto ficou claro que:


1. A polícia precisa que registremos Boletim de Ocorrência pra trabalhar. Acredito que eles não tenham entendido uma coisa: Não queremos somente que recuperem as bikes roubadas!! Para isso, sim é necessário o Boletim de Ocorrência!! Mas para que se EVITEM NOVAS OCORRÊNCIAS - POLICIAMENTO PREVENTIVO - BASTA QUE A COISA TOME PROPORÇÃO E EVIDÊNCIA, com está acontecendo;


2. Quem escreveu o texto não sabe onde ocorrem os assaltos, até porque é lugar de difícil acesso, praticamente frequentado por ciclistas, moradores locais, e bandidos oportunistas; o jornal acha que é URBANOVA.


Mas de qualquer forma a matéria está lá, garante mais divulgação à população, já que publicada em jornal local de grande circulação, e não fica, assim, restrita aos ciclístas, que tem informações somente através dos blogs temáticos.


Outras informações importantes você acha aqui:


www.bikeblogsjc.blogspot.com - Blog do RAMIRO, cara antenado e ativista do ramo bicicleteiro.


www.capimcompoeira.blogspot.com - Blog do Tom, que disponibilizou, inclusive, um mapa do "perigo" em São José, região que os ciclistas têm evitado por medo de assalto. Confira aqui: http://capimcompoeira.blogspot.com/2011/05/mapa-do-perigo-assaltos-de-bicicleta.html


Aqui, no amagrela, eu fiz alguns comentários, inclusive este aqui: http://amagrela.blogspot.com/2011/05/roubo-de-bike-em-sanja-e-nicho-de.html


E, por fim, transcrevo o texto do jornal que saiu publicado hoje, 21/05/2011, pra quem tiver paciência de ler mais.






JORNAL O VALE - 21/05/2011


Ciclistas reclamam da onda de assaltos na região da Urbanova









Desde abril, foram sete assaltos segundo eles; a maioria teria sido praticada por uma dupla na rua do Porto
Filipe Rodrigues
São José dos Campos

Ciclistas de São José dos Campos reclamam de uma onda de roubos de bicicletas na região do Urbanova, na zona oeste da cidade.

Segundo relatos, foram pelo menos sete assaltos desde o início de abril. Todos no mesmo local.

Para a Polícia Militar, a região é tranquila, já que foi registrado apenas um assalto naquela região em abril.

A Polícia Civil diz que nos últimos dois meses, nenhuma vítima registrou ocorrência de roubo, o que dificulta a investigação.

Crimes. Segundo as vítimas, os assaltos acontecem de forma semelhante e sempre próximos a uma ponte, na rua do Porto, que passa sobre o rio Paraíba.

“Saí para dar a volta na represa do Jaguari e próximo a represa, fui abordado por seis pessoas. Um deles tinha uma arma calibre 12”, diz uma vítima, assaltada no dia 7 de maio.

De acordo com Ramiro Cordeiro Junior, 38 anos, que possui um blog sobre ciclismo, os assaltos acontecem nos finais de semana, no período da tarde.

“Não sabemos se são as mesmas pessoas. Mas também acontece muito de uma dupla ficar ali e quando o ciclista passa, eles rendem”.

Alternativas. Os ciclistas têm evitado passar pela região. Por meio de blogs e comunicação por e-mail, eles discutem alternativas.

“Temos uma pequena comunidade em que discutimos sobre bons locais para pedalar. Como a ponte é um local perigoso, o pessoal tem procurado dar a volta”.

Outra medida adotada é sair para andar em grupo. “Indo várias pessoas, pelo menos, diminui a chance de um grupo nos assaltar”, diz uma outra pessoa, assaltada por dois homens em abril.

Na Câmara Municipal, o vereador Cristiano Ferreira (PV) solicitou mais segurança para a região. “Está acontecendo sempre. Houve uma reunião com os ciclistas e eles pediram mais segurança. Estamos pedindo para a Polícia Militar que reforce as rondas naquela região”, diz ele.

Segurança. Para a PM, no entanto, a região está tranquila, já que, para eles, desde abril, foi registrada apenas uma ocorrência de roubo desde abril.

Segundo Antonio Sergio Pereira, delegado do 8º Distrito Policial, responsável pela área do Urbanova, não há nenhum registro de assaltos a ciclistas.

“Se a população quer que a gente tome alguma medida, ela precisa registrar ocorrência. Como vamos trabalhar se não ficamos sabendo?”.

Entenda o caso
Medo
Ciclistas reclamam de uma onda de assaltos no bairro
Urbanova, na zona oeste

Ocorrências
Segundo os ciclistas, os roubos acontecem em uma ponte na rua do Porto, onde os assaltantes cercam as vítimas

Soluções
Os ciclistas passaram a evitar o local durante os passeios; outra forma encontrada foi pedalar em grupos

Prevenção
Para a Polícia Militar, a região é tranquila; desde abril, apenas um roubo foi registrado

Registro
Na delegacia, nenhum roubo a ciclista foi registrado
*

Abraços, meus queridos.
Tomemos cuidado. Mas tomemos providências também!

Paulinho - www.amagrela.blogspot.com

segunda-feira, 2 de maio de 2011

ROUBO DE BIKE em SANJA é NICHO DE MERCADO!!!

Fala moçada do pedal.


Triste notícia, que já rodou pela rede MTB em São José dos Campos hoje. Notícia que bombou o dia todo, no twitter e em outros blogs de parceiros de pedal. Roubaram outra bike em nossas trilhas tão queridas!!
Levaram a CANNONDALE F2 LEFTY de um parceiro nosso de pedal, que pediu para divulgarmos as fotos de sua magrela vitimada. Não é bike difícil de achar!! Fiquemos de olhos abertos. Até por onde eu já vi, penso ser a única F2 LEFTY AMARELA de São José dos Campos.

O e-mail que recebi foi esse: "Paulinho blz? espero que sim! Cara não sei se vc esta sabendo mais fui roubado ontem de tarde la depois da ponte do rio paraiba sentido esplanada do sol então se vc puder publicar estas fotos ai no teu blog para o caso de alguém avistar minha bike ai nas mãos de algum vagabundo chamar a policia imediatamente ...já esta registrado um B.O. Obrigado atenção ótima semana!"


As fotos são essas:











Galera. Se virem a bike por favor avisem por aqui ou diretamente na polícia. Já tem B.O. registrado. Caso necessite falar com o dono da bike, me avise que eu passo o nome ou telefone.


Vale lembrar que é a segunda vez que isso acontece em menos de 2 meses, NO MESMO LOCAL. (Clica aqui)
Daí o Tom (@tom_bike) - www.capimcompoeira.blogspot.com me twittou hoje e, sabendo que é trajeto tradicional da nossa moçadinha, me alertou para a questão.


De minha parte, com pesar no coração, parei de passar por lá.


Aconselho o mesmo. A menos que acompanhado de grande grupo. Fora isso, não vale o risco.




Abraços,
Paulinho.

terça-feira, 26 de abril de 2011

PEDAL DA PÁSCOA - VÍDEO DO DAVI

Fala moçada!!

O Davi, nosso fotógrafo, fez um videozinho do pedal de sábado passado. E está no youtube, mas eu incorporei por aqui.
Se você quiser ver mais vídeos do Davi ou suas fotos no FLICKR, procure pelo nick DAVIRC. O cara manda bem.

O vídeo é esse aí. Enjoy.




Abraços galerinha do pedal.

Paulinho.

domingo, 24 de abril de 2011

FIZEMOS O PEDAL DE PÁSCOA

Pedal AMAGRELA da Páscoa


Fala moçada do pedal.

Ontem, sabadão, dia 23/04/2011, fizemos o nosso pedal de páscoa.
Nos metemos pelos tradicionais caminhos dAMAGRELA, saindo do Thermas, fomos para a Fazendinha, pontinha, J. Macedo, Jaguari, Jaguariuna, Parathey, Urbanova, e voltamos para o Thermas.

Foi pedal curto, 20km de descontração, papo, e diversão garantida.
Pedalantes estavam Betão, Davi, Aninha, Paulo Fernando, Helena (a patroa) e eu.
No twitter fica assim: @betorochacosta, @davirochacosta, @ninharochacosta, @pafemendes, e eu @pauloamagrela. A Helena não twitta.

Bom, combinamos na sexta, de noite, e postamos o convite no twitter.

O dia bonito ajudou. Nos encontramos às 07:30h da manhã de sábado e, após alguns ajustes, saímos pro pedal. Vale lembrar que foi o pedal de estréia do Betão "on clip". De pedal de encaixe e sapatilha, o menino nem caiu. A não ser esta vez aqui.

O Betão fez o trajeto on GPS, mas ligou apenas na porteira da fazendinha. Clique aqui pra ver.

Curtam as fotos e vamos pedalar!!






Saída do Thermas: Davi, Paulo Fernando, Aninha, Helena, eu, Betão.






Bike da Helena, descansando.





Na porteira da fazendinha.






Aninha...






...Helena...






...Betão...






...Paulo Fernando...





...e eu.



Moçadinha no pedal. Bela foto.




Belas paisagens.






Olhaí.





Rumo à J. Macedo.
















Betão descendo...





...e nem caiu! Sacanagem!!




As lentes do Davi. Olhar apurado!






Saindo da matinha.






Tropa reunida.






As meninas do pedal: Aninha e Helena. Estrada do Jaguari.






Paulo fernando e eu.






E no caminho surgiu um Basset Hound...




...e o Davi parou para umas fotos.






Paulo Fernando nos trilhos.






E a moçada rumo ao Parathey.






Helena e Betão.














A MAGRELA.






A Magrela e eu.






Minha esposa testando a umidade relativa do ar.






Paulo Fernando e Betão. Fim de pedal, pela ciclovia, é claro.




Foi muito bacana. Valeu pela companhia, moçada.
Nos vemos pelos próximos!!


Abraços,
Paulinho.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Fizemos o PEDAL Pedalavalle - 20/04/2011

Saudações moçadinha do pedal.

Ontem fizemos o pedal PEDALAVALLE rumo ao LUSO, passando pelo Parque da Cidade. Esse trajeto é bom de pedalar, apesar de ser predominantemente asfalto.
Fui eu e o André (este aqui). Amigo nosso que já pedalou conosco em outra oportunidade. Clica nesse link aqui para ver o pedal que fizemos para a represa há algum tempo. Vale a pena: as fotos são muuito boas!

E pedalamos num ritmo bom. Sem muito exagero, mas sem ficar no lenga-lenga.
Fizemos uma média de 18km/h, um total de 28km.

E foi a minha primeira ida ao Luso sem chuva!! Parece besteira, mas toda vez que aponto minha bike naquela direção, cai toró. Se você fizer umas buscas pelos posts aqui no blog, vai encontrar pedais chuvosos para o LUSO BRASILEIRO.

Apesar de não contar com os magrelenses oficiais, realmente foi gostoso. A lua bem bonita, garantiu um belo cenário. E o clima agradável para pedalar. Clima de abril, outono, noites mais frescas.

Beeem bacana mesmo.

Renovo aqui os convites aos leitores deste blog, para os pedais de quarta-feira do Coquinho e do Bóia (Pedalavalle). Os caras são gente fina, o pedal é bacana, e tem um público bem miscigenado.

Valeu moçada, valeu André.


Abraços,
Paulinho.

sexta-feira, 25 de março de 2011

BIKES NA CALÇADA



Hoje aconteceu de novo: quase fui atropelado na calçada. E por uma bicicleta!

Resolvi postar isso porque fico indignado com este comportamento.

Semana passada eu estava saindo da KING BIKE (do Juninho), na Av. José Longo. Tinha deixado umas rodas com ele pra transferir o cassete de uma pra outra. Daí indo embora, meio naquela conversando e olhando pra trás, fui saindo da loja. Pisei na calçada e um camarada quase passou por cima de mim. Vinha a mil, de bike, descendo a J. Longo, NA CALÇADA!! Pilantra e mau caráter! Calçada não!, é pra pedestre.

E outra foi hoje, na hora do almoço.
Indo almoçar, proseando, na calçada, margeando o portão da UNIVAP (Direito) ali no centro, rumo ao Churraskilo. Dei de me chegar ao meio-fio pra atravessar a rua e um mala "on bike" quase me acertou. Animal.

Todo dia vejo uns desses pelos arredores do Fórum.

E aqui lanço o meu apelo:

Deixemos as calçadas e, nas ruas, vamos com cuidado.

E tenho dito.

Vamos pedalar!!

Abraços,
Paulinho.

segunda-feira, 14 de março de 2011

PEDAL DE SÁBADO 12/03 - RELATO E FOTOS.

Saudações pedalantes.

Fizemos o pedalzinho sábado, e estava muito bom. Tempo bom, sem sol na carcaça, muita alegria e barro: receita de sucesso.

Estavam Paulo Fernando, Dudi, Davi, Betão, Perote, e eu (rapaziada), e as meninas Paola, Ninha e Verinnha.

Rolê que marcou o retorno do Dudi aos pedais e a primeira experiência da Verinha com o pessoal do AMAGRELA. A Verinha trabalha conosco no Fórum, e já encarou Tripbike2011. A mulher é raça mesmo.

Bom, poucas fotos, muita diversão.

Seguem:



Concentração para saída, no Thermas do Vale.


Av. Anchieta: paradinha pra foto.




Matinha do Parque da Cidade. Local muito bonito.




No Parque da Cidade.




E na pontinha atrás da Fazendinha e linha do trem. Ficou muito boa mesmo.






O pedal foi super bacana, leve, mas todos curtiram.
Verinha, muito obrigado pela sua presença por lá. Está sempre convidada.


Valeu moçada.


Abraços,
Paulinho.

sexta-feira, 11 de março de 2011

PEDAL AMAGRELA

PEDAL DE SÁBADO!

Saudações navegantes e ilustres seguidores deste bloguesinho.

Vamo lá.

Amanhã, sábado, vamos fazer um pedalzinho suave, pelos brejos de sempre, e resolvi postar por aqui pra ver se dá tempo de você ler e aparecer pro rolê.
Vai ser assim:

Encontra às 07:45h da manhã, amanhã (sábado - 12/03), no estacionamento do THERMAS.
Dali vamos sair pedalando no mais puro pedal várzea bike for fun. Deve ter uns 25/30km.
Apareça por lá, munido de capacete, câmara reserva e outros acessórios que todo camarada antenado deve carregar pra não se lascar por aí.

E daí é só desfrutar da boa companhia.


Vamos pedalar!

Abraços,
Paulinho.

terça-feira, 8 de março de 2011

Dia internacional da mulher. Parabéns!


Parabéns mulher, pelo seu dia. Reescrevo aqui minha homenagem a você, especialmente à mulher que tenho em casa, homenagem que postei aqui no blog o ano passado.

"

Mulher é o seguinte: raça, força e doação.
Falo pela minha guerreira que tenho em casa, e por tantas mulheres que, diariamente, travam batalhas!
Poucos homens, dito sexo forte, têm a disposição feminina. A mulher encara o dia, mata no peito, chuta pro gol e nós ficamos até atordoados.
É muita disposição! Tenho duas filhas e sou pai presente e marido que auxilia nas tarefas domésticas. Mas, sem dúvida, a maestria é de minha mulher. Trabalha fora, com extrema competência, e, chegando em casa, administra filhas e tarefas com total doação e raça. Fico cansado só de olhar!
Parabéns a você, Helena, minha mulher, e a todas as outras guerreiras que, com toda a beleza e delicadeza, são, sem dúvida, mais fortes que nós homens! (E ainda arranjam disposição pra pedalar)!!

Feliz dia internacional da mulher!
"

Abraços,
Paulinho.

quarta-feira, 2 de março de 2011

DIFERENÇAS E TRIBOS. REALIDADES ADAPTADAS.

Achei que, passado um tempinho do lamentável episódio do atropelamento dos ciclistas em Porto Alegre, eu deveria colocar minha opinião aqui no blog.

Li muito, vi muitas imagens e vídeos sobre o fatídico protesto da Massa Crítica em Porto Alegre. Já escrevi neste blog sobre as diferenças entre automóveis e bicicletas, na ocasião em que faleceu o Sr. Liberato Geraldi, ciclista da nossa região, e dei à matéria o título de "NOVA ORDEM NO TRÂNSITO: MATE O CICLISTA".
Depois do evento de Porto Alegre o post pareceu profético. Na verdade foi somente a constatação do inevitável. Cheguei a postar a imagem seguinte. A diferença é que o motorista da imagem abaixo estava embriagado. Também criminoso, mas despido de DOLO, que vazava pelos poros de Ricardo José Neis, motorista do Golf Preto.




Sabem o que me deixa puto?! É que vestido de Golf Preto uma pessoa se achou no direito de passar por cima de um grupo inteiro de pessoas!!!

O problema é cultural!
O brasileiro, de uma forma generalizada, pensa somente no próprio umbigo. Está desacostumado com honestidade e precisa de leis, apesar de não tê-las, porque de per si não consegue respeitar o semelhante.
Somos quase todos delinquentes e bandidos em maior ou menor escala (tese).
Outro dia meu irmão, que é defensor desta tese, estava conversando com um amigo que jurava de pé junto não cometer qualquer tipo de delito. E no meio de uma conversa informal, tiração de sarro, este nosso amigo sacou o notebook, COM SISTEMA PIRATA. "Ah, mas o original é muito caro!!!" É. Mas o falsificado é crime. E compra DVD pirata, e baixa filme e música na faixa na internet, etc., etc., etc....
Onde quero chegar: o brasileiro, acostumado com leis brandas, e debaixo da desculpa de que os pequenos delitos são permitidos diante de um governo corrupto, onde tudo se faz por suborno e falcatruas, o que torna sua vida dura demais e cara demais, tem suas próprias interpretações de lei e de moral (certo e errado).

O duro é que, numa sociedade desenvolvida, onde todos se respeitam, é quase desnecessária a intervenção do Estado com suas leis: a coisa vai bem sozinha. O povo é educado o suficiente para colocar a preferência do outro na frente da sua.

Mas o brasileiro não. Nós, na nossa esmagadora maioria, observamos os acontecimentos e, sem maiores informações, interpretamos e já fazemos nossa sentença. E a executamos. É o nosso mundo. É somente o que importa. Não temos lei que seja suficientemente forte para conter esse nosso instinto.

E li de tudo. Teve gente que defendeu o posicionamento do motorista do Golf Preto. Teve gente que defendeu que os ciclistas podem tudo, porque os carros são ferramentas opressoras de uma organização social que prioriza o consumo e a falta de tempo. E com certeza teve gente que nem se deu ao trabalho de pensar no assunto. Não lhe diz respeito.

Daí a lei fala o seguinte: bicicletas são veículos. E tem preferência nas ruas. Ponto final. A lei disse. O que deveria ser NOTÓRIO, que o ciclista é frágil e extremamente exposto, precisa estar na lei porque o motorista brasileiro é incapaz de perceber, mesmo que o ciclista esteja estourando os miolos em seu parabrisa!

E falo com autoridade porque preciso de carro, e dirijo todos os dias. E sou pé de chumbo. Mas respeito e presto atenção a todos ao redor, especialmente aos mais expostos. Culpar os ciclistas pelo atropelamento daquela sexta-feira é mais ou menos como culpar uma mulher vítima de estupro, por estar usando roupas provocantes. Achei interessante a comparação feita nesse blog aqui.

Em Porto Alegre, naquele dia, a coisa era um protesto. Podia ter sido previamente comunicado à competente Secretaria. Mas não necessariamente. A intenção era exatamente a de causar desconforto. Chamar a atenção.
Se eu fosse passar por cima de cada protesto ou manifestação que já presenciei, eu estava na roça!
Corpus Cristi da Igreja Católica, teria que acontecer na calçada. Trio elétrico na Bahia tinha que ser em estádio. Passeata gay em São Paulo tinha que rolar dentro do Shopping Frei Caneca.

Uma vez furei a mão com uma chave de fenda. Sangrava que nem ladrão de caixa d'água. Minha esposa pegou o carro e fomos para o pronto socorro. Na rua do hospital UMA PASSEATA!!! Minha esposa botou a cara pra fora da janela, gritava e buzinava!! Ela pediu. Bradou, mas PEDIU passagem. Não fez boliche de gente.
Ela sabia o significado de SEMELHANTES. Opiniões são divergentes, não nós. Nós somos semelhantes. Nós nascemos em cima do mesmo planeta e o GOLF PRETO do Ricardo José Neis, ou seu filho de 15 anos, ou seu advogado que jura que ele é doidinho, não lhe conferem o direito de passar por cima de ninguém.

Meu, preto no branco: o cara ficou puto, e passou por cima. Estava com pressa e se sentiu violado em seu direito de locomoção quando viu a rua bloqueada por "ciclistas baderneiros".
Li muitos comentários em vários posts e matérias fazendo alusão aos ciclistas como vagabundos. Vagabundos porque pedalam? Eu pedalo, trabalho 10 horas por dia, tenho mulher e duas filhas, e ponho comida em casa. Vamos rever o conceito de vagabundagem, ok?!

Outra: calçada é pra pedestre. Se a lei define que bicicleta deve andar na rua, onde não houver ciclovias em condições apropriadas, e que tem preferência sobre os carros, é assim que deve ser.
Protesto é protesto, seja de ciclistas, pandeiristas ou religiosos. Todos têm o direito de se expressar.
E todos devemos respeitar.
Concordar é outra história, mas respeitar SEMPRE.

Paulinho

sábado, 5 de fevereiro de 2011

TRIPBIKE 2011 - IMPRESSÕES AMAGRELA


E daí é o seguinte: AMAGRELA foi ao TRIPBIKE 2011.
Decidimos meio de última hora, o que acabou gerando alguns infortúnios advindos da absoluta falta de treino, mas foi realmente muito legal!
Na base do TWITTER acertamos os detalhes de nossa participação, fizemos a inscrição conforme explicadinho no web sítio www.tripbike2011.com.br, e ligamos para garantirmos o busão da volta, do jeitinho que o TOM tuitou. Como ele mesmo diz, "conectado" e prevenido. Esse é o esquema. Tudo certinho, certinho.

Fomos eu, o Betão, o Davi, o Perote e o Rodrigo.
O pedal começou às 08:15h. Tinha gente pracacete.
E toca pedalar. Muita gente conhecida. Muitos velhos amigos.
Bom, durante o pedal rolou o seguinte: Subimos pedalando as duas primeiras subidonas apontadas lá no gráfico da altimetria. A coisa apertou lá na casinha mesmo.... ou, como por mim gentilmente apelidada, a parede do tinhoso... ou morro do inferno!!
Tá bom... tem gente que sobe pedalando. Aqui falo sem qualquer constrangimento: Empurrei o morro todo.
Dos nossos os que estavam em melhores condições eram o Betão e o Perote. O Perote ficou pra trás pra me dar uma ajudinha, ainda que apoio moral. O Betão abriu uma distância, e acabou pedalando. O Rodrigo fez a rota alternativa, e o Davi teve cãibras ainda no começo da subida.

No meio da subida da casinha, fura meu pneu dianteiro. O Joes no flats tava no osso já. Vacilo meu. Enchi duas vezes. Na descida ficou instável. Parei. Troquei o pneu, mas a câmara reserva tava bichada também. Nessa surge o Flávio, da cannondale lefty - VALEU FLÁVIO, LIVROU A CARA - e me emprestou uma câmara. Arrumei e soquei a bota.
Mas cumprimos com nossa proposta: acabamos o pedal por nossas próprias forças.
Pra quem estava há uns 4 ou 5 meses sem fazer um pedal decente, isso é vitória certa!!
Pedal lindo. Lugares impressionantes, de beleza extrema!! Sol na tampa!!!
Mas essa foi nossa experiência. Fácil não é, principalmente a quem se aventurou achando que era passeio mesmo. Cata-corno chegou lotado. A quem sempre pedala a coisa é um pedal forte. Ao homem-médio, como nós do amagrela, que pedalamos no esquema "for fun", é treinar um pouco mais, pra chegar mais inteiro e arriscar a volta.

Falemos do evento: ORGANIZAÇÃO NOTA MIL.
Oton, divulgação muito bem montada! Esquema de busão pra volta, tudo certinho via e-mail e site. Não tivemos qualquer problema. Neguinho que falar o contrário, e cabra fora do ar.
Todo o caminho com avisos e indicações. Paradas estratégicas para abastecimento.
Parabéns aos organizadores. Parabéns Capim com Poeira. E viva a bicicleta!!!

Confiram algumas fotos do evento.


 Nossa saída: foto oficial, na casa do Davi.
















  




Eid guerreiro voando solo! 

Perote e Betão, mais a frente. 

Eu.




































































É isso aí galera do pedal!!
Até o próximo TRIPBIKE, se o mundo não acabar antes!!

Abraços,
Paulinho.